Chegamos aos 400 ppm de CO2 na atmosfera: e agora?

397, 398, 399, 400! Nas últimas semanas observamos uma verdadeira contagem “progressiva” da concentração de gás carbônico (CO2) na atmosfera, pois finalmente atingimos os fatídicos 400ppm. Para esclarecer: partes por milhão (ppm) é uma unidade de medida de concentração que, neste contexto, significa que a cada 1 milhão de moléculas na atmosfera, 400 são de dióxido de carbono (CO2). Informação esclarecida, agora a pergunta: qual a importância desse fato?

Em 2007, o IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, na sigla em inglês) publicou seu quarto relatório sobre as mudanças climáticas globais. Neste documento havia a descrição de cenários futuros possíveis em consequência da elevação da concentração de gases de efeito estufa na atmosfera. Foi determinado que um aumento de 2°C na temperatura média da Terra já ocasionaria mudanças no clima global, como degelo de áreas congeladas e aumento do nível dos oceanos, mas que estas alterações ainda seriam “seguras” e que a humanidade seria capaz de se adaptar a elas.

A concentração de CO2 apontada como limite para que a elevação da temperatura global fique próxima aos 2°C era de 400ppm! Devido à composição deste cenário é que a aferição de 400,08ppm em uma estação de monitoramento no alto de uma montanha no Havaí é tão simbólica. A concentração de gases na atmosfera se altera de acordo com condições climáticas, portanto, é provável que em próximas medições o valor encontrado para CO2 seja abaixo de 400ppm novamente, no entanto, isso não muda o fato de não termos reduzido nossas emissões de gases de efeito estufa a um nível mais seguro, como era esperado.

A elevação da temperatura média global é preocupante devido às conseqüências que poderá trazer, estas incluem diversos tipos de alterações no meio ambiente que afetarão diretamente a sobrevivência da humanidade, como mudanças nas épocas de colheitas de diversos alimentos básicos, migração de regiões costeiras que serão reduzidas pela elevação do nível dos oceanos, entre outras. É necessário refletir como se adaptar a essas mudanças, mas é mais premente agir para que essas transformações não sejam cada vez mais drásticas devido a um maior aumento da temperatura.

Estima-se que em algum momento do Piloceno – há cerca de 4 milhões de anos – a concentração de CO2 na atmosfera tenha sido maior que 400ppm. Nesta época a temperatura era entre 2° e 3°C maior do que hoje, o nível dos oceanos estava cerca de 20m mais elevado e a vida na Terra era diferente de agora.

Antes da era industrial, quando se passou a utilizar os combustíveis fósseis como principal fonte de energia e, em consequência, quando as emissões de gases de efeito estufa aumentaram significativamente, a concentração de CO2 na atmosfera girava em torno de 215 ppm. De lá para cá, já é estimado um aumento de cerca de 0,8°C na temperatura média global. Além disso, o tempo de permanência de alguns gases de efeito estufa na atmosfera é elevado, o que significa que os níveis de concentração atingidos hoje continuarão impactando o clima por décadas.

Muitas discussões sobre o tema têm sido encabeçadas por órgãos internacionais, principalmente no âmbito da Organização das Nações Unidas (ONU). Constituídos por diversos países, esses órgãos tem a responsabilidade de delinear ações que possam reduzir as emissões de gases de efeito estufa e frear o aquecimento global. Esta não é uma missão simples e sua efetividade está atrelada ao envolvimento não só de governos, mas também de líderes industriais e de negócios, além da conscientização da sociedade civil – que tem o poder de pressionar esses tomadores de decisões a direcionar suas ações em prol do meio ambiente.

Muitos impactos poderão ser reduzidos, atrasados ou evitados através da mitigação das emissões. Esforços para a mitigação e investimentos nas próximas duas ou três décadas terão um grande impacto nas oportunidades de atingir níveis de estabilização da temperatura mais baixos. No entanto, adiar a redução das emissões irá dificultar a estabilização dos níveis e aumentar os riscos de impactos mais severos nas mudanças climáticas.

Uma das principais formas de mitigação das emissões é a utilização de tecnologias mais limpas, que emitam menos gases de efeito estufa do que tecnologias convencionais, como a substituição da matriz energética baseada em combustíveis fósseis pelo uso de biomassa. Quando esses projetos de substituição passam por processos de validação e certificação, são aptos a originar Certificados de Reduções de Emissões, conhecidos por créditos de carbono.

A utilização de créditos de carbono para a compensação ou neutralização das emissões de atividades cotidianas, como o funcionamento do escritório ou de sua casa, eventos e mesmo atividades industriais, incentiva a implementação de novos projetos que utilizam tecnologias mais limpas, representando uma colaboração efetiva no combate ao aquecimento global. Este é um exemplo de ação que pode ser realizada individualmente ou ser incentivada pelo mercado e por governos, podendo trazer grande impacto nas questões climáticas.

Sobre Neutralize Carbono

Empresa especializada em projetos de gestão das emissões de Gases de Efeito Estufa.
Esse post foi publicado em Notícias e marcado , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s